Nem sempre uma ameaça dá sinais claros do seu ataque. Por isso, para aumentar a proteção dos sistemas e servidores, seja ele físico, virtual ou em nuvem, é importante que o gestor de segurança monitore o ambiente e esteja ciente das possibilidades e criatividade do cibercrime.

Porém, essa iniciativa isolada não resulta no resultado esperado. O ideal é sempre aliar esse conhecimento ao uso adequado das tecnologias de segurança da informação.

Hoje em dia, existem ferramentas de segurança que conseguem identificar e mapear remotamente os sistemas e seus servidores sem que seja necessário deslocar fisicamente pessoas para esta tarefa.

Use a ferramenta certa para identificar as vulnerabilidades

Manter o servidor e os sistemas atualizados e testar aplicações em ambiente de homologação faz parte das medidas de proteção. O recomendado é que continuamente a organização faça uma avaliações para garantir que as estruturas estejam seguras. Atualmente é necessário trabalhar mais incisivamente procurando por falhas porque a segurança ainda é vista como uma barreira e não facilitador de projetos; por isto em muitos casos os sistemas estão vulneráveis desde o seu nascimento.

Na linha de proteção, o Deep Security é capaz de detectar automaticamente vulnerabilidades em servidores: escaneia o sistema e verifica as aplicações instaladas, garantindo a segurança avançada sem necessidade da famosa “janela de manutenção”.

Disponível como software ou serviço, o Deep Security protege aplicações e dados empresariais contra violações e interrupções nos negócios sem exigir patches emergenciais. Isso porque a funcionalidade Virtual Patching mantém os servidores e endpoints protegidos, reduzindo o risco dos custos de divulgação de violações.

Considerada uma plataforma abrangente,essa solução possui gerenciamento central, o que ajuda a simplificar as operações de segurança, permitindo a conformidade regulatória e acelerando o ROI dos projetos de virtualização e de nuvem.

Contar com a ferramenta certa é fundamental para garantir a segurança do servidor, proteger as informações a sua empresa e consequentemente a continuidade nos negócios.

A principal consciência que as companhias devem assumir é que nenhum servidor está a salvo de vulnerabilidades. Por isso, é sempre importante questionar e aprimorar a estratégia de proteção adotada e avaliar se as ferramenta utilizadas fornecem o diagnóstico real e implementam a correção adequada.

Fonte: Trend Micro Brasil